fev 232013
 

A história do calçado em Jaú começou no século XIX, por volta do ano de 1.900, com a chegada de um italiano chamado Guiseppe Contatore. Guiseppe instalou a primeira sapataria da cidade, e ensinou muitos sapateiros o ofício do calçado. Estes sapateiros se especializaram, e se desenvolveram na profissão de sapateiro.

Com o desenvolvimento da cidade de Jaú, em meados de 1930 já existiam muitas casas de couros e pequenas oficinas de pesponto como a Casa Arthur Bernardi, que empregava senhoras e adolescentes que costuravam os sapatos na profissão de calçadista. Muitos dos industriários pioneiros começaram a se profissionalizar nestas oficinas.

A empresa de Romildo Crozera, fundada com os irmãos Roberto e Romeu Crozera em 1943, provavelmente, pelos dados históricos, foi a primeira indústria legalmente constituída.

Pouco tempo depois, surgiram muitas outras indústrias, entre as quais se destaca a B. R. Musegante, de Romeu Musegante, onde outros pioneiros como Jarbas Farracco, Santo Rosignolli, Alberto Ferrucci e Dionysio Momesso começaram a trabalhar. Anos depois, muitos destes funcionários constituíram suas próprias empresas.

Romeu Musegante, um dos pioneiros da indústria calçadista, ganhou projeção ao assumir a presidência da Associação Comercial e Industrial de Jaú, com Musegant assumindo o cargo, teve um maior fortalecimento do setor de calçados na cidade.

Os calçadistas começaram a ganhar certa projeção política, tendo eleito anos depois Jarbas Farracco, da Indústria de Calçados Rosangela, prefeito de Jaú de 1968 a 1972.

A indústria calçadista foi se desenvolvendo e se modernizando, passando a utilizar máquinas e métodos mais automatizados para a produção. Em 1979, foi fundada a Associação das Indústrias de Calçados de Jaú, pelos empresários do setor.

Hoje com mais de 200 indústrias a cidade de Jaú é conhecida como a Capital do Calçado Feminino.

O setor calçadista representa hoje mais de 40% do PIB do município de Jaú, sendo um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento econômico e industrial da cidade.

Hoje o Município de Jaú abriga uma concentração de empresas produtoras de calçados femininos com 90% de especialização em produtos feitos em couro, além de empresas fornecedoras da cadeia de suprimentos, instituições de ensino, de apoio técnico e financeiro entre outras empresas que caracterizam um Arranjo Produtivo Local (APL).

Este APL é formado por aproximadamente 1.182 estabelecimentos formais, na qual: 250 são empresas de calçados femininos, 800 bancas de prestação de serviços, 120 empresas de componentes para calçados, 3 curtumes, 4 empresas de artefatos de couro e 3 shoppings com 175 lojas de sapatos.

Juntas estas empresas geram cerca de 17 mil empregos diretos, divididos por: 8.390 na Indústria de Calçados, 4.000 nas bancas prestadoras de serviços, 1.400 nas empresas de componentes, 80 nos curtumes de Jaú, 100 nas empresas de artefatos e 400 empregos nos shoppings. A produção do APL é de aproximadamente 130 mil pares por dia, com capacidade produtiva para aumentar a produção em 30%.

Atualmente, cerca de 35 fabricantes de Jaú expõe seus produtos, nas duas maiores e mais importantes feiras de moda e negócios do setor, a FRANCAL e a COUROMODA.